Pesquisar

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

No Blue Note Rio, em espetáculo emocionante, Eliana Pittman homenageou o seu ícone, Booker

De Luiz Carlos Lourenço 

Fotos de Silvio de Almeida e de amigos nas redes sociais

A cantora e atriz ELIANA PITTMAN, vestindo um sensual vestido branco com bordados e muitas transparências, se apresentou na noite de ontem com casa cheia no palco do BLUE NOTE RIO, na Lagoa, cantando pérolas do jazz do seu repertório e apresentando um homenagem especial e um preito de saudade ao seu pai adotivo, BOOKER PITTMAN, responsável por seu batismo no mundo musical. Em outubro deste ano, se completam cinquenta anos da morte do músico, considerado um dos cinco melhores do mundo no seu género.

Muito animada e contando passagens curiosas de sua carreira  ao lado de BOOKER e da mãe, Ophelia, ELIANA se apresentou acompanhada de um trio de músicos excepcionais, Jimmy Santa Cruz (baixo). Sergio Pinheiro(teclados) e Helbe Machado(bateria). Minutos antes da artista entrar em cena, foi apresentado no telão da casa uma sequência de fotos de Booker Pittman se apresentando ao lado de Eliana, enquanto ouvia-se gravações dele como fundo musical da projeção.

Aplaudindo a cantora, destacavam-se várias personalidades da área do showbusiness, como o cantor Márcio Gomes, as cantoras Luciene Franco, Beth Guilher e Selma Reis, a violoncelista Aleska Chediak, as atrizes Suzy Parker e Yeda Brown, o empresário da área de gastronomia, Antônio Militão, com sua mulher, o compositor Paulo Debetio, Suely de Almeida Cardoso, Conceição Lopes, Silvinho Fernandes, Alexandre Rico, o sommelier Fabio Xavier com sua mulher Solange, Bete Suzano, Vera Kalil, José Antonio Paz Monteiro, Marcelo Souza, o fotógrado Silvio de Almeida e o produtor musical, pesquisador e diretor Marcio Thadeu Luis e muitos outros.

Após o show do Blue Note Rio, a convite do diretor do Restaurante Ipanema 159, Antonio Militão, Eliana Pittman, Marcio Gomes, Luciene Franco e uma boa parte dos seus amigos foram confraternizar até o início da madrugada de hoje num animado jantar naquele confortável restaurante da rua Joana Angélica.

Eliana nasceu no Rio de Janeiro em 1945, e teve como padrasto o saxofonista americano Booker Pittman, com quem conviveu desde pequena aprendendo a gostar tanto da música brasileira quanto da internacional. Isto influenciou sua maneira de cantar, incorporando sempre um tom jazzista aos hits que interpreta.

Aos 72 anos de idade e 56 de carreira, a intérprete, depois de perder os pais, mora só em Copacabana e  em recente entrevista, afirmou divertir-se com a passagem do tempo que, para ela, tem apenas um inconveniente: “Só queria estar mais magra. Todo mundo sabe minha idade, não me importo com isso, apesar de o Brasil não respeitar os idosos. Mas todos vão poder ver que estou saudável e cheia de disposição. Comigo não tem tristeza”, salientou.

Booker Pittman nasceu nos Estados Unidos em Fairmount Heights - ou Dallas, em 3 de março de 1909 — Rio de Janeiro e faleceu no dia de outubro de 1969 foi um  grande saxofonista americano-brasileiro, considerado um dos cinco maiores instrumentistas do mundo na área. Ele morreu aos 60 anos, depois de lutar por muito tempo contra um câncer.

Era filho de um arquiteto, Sidney Pittman e de Portia Pittman, professora de música, e neto de Booker T. Washington. Tornou-se um saxofonista de jazz e tocou como Louis Armstrong e Count Basie, nos Estados Unidos e na Europa, nas décadas de 1920 e 1930. Booker deixou os Estados Unidos pela primeira vez em 1933, quando foi com a orquestra de Lucky Millinder para a França, e lá permaneceu por quatro anos. Durante esse período, ele conheceu um músico brasileiro chamado Romeu Silva, que o levou a uma excursão através do Brasil, juntamente com outros músicos. Foram para a Bahia a bordo do navio Siqueira Campos.

Em 1937, Booker mudou-se para o Brasil, onde ficou conhecido pelo apelido de "Buca", e onde continuou sua carreira musical, tocando no Cassino da Urca, na cidade do Rio de Janeiro. Ele viveu no bairro de Copacabana e fez amizade com Jorge Guinle e Pixinguinha. Tocou também em outros países, como a Argentina. Booker e Eliana Pittman  A cantora e atriz brasileira Eliana Pittman é sua enteada. De março a abril de 1966, Eliana e Booker apresentaram na TV Globo o programa Eliana e Booker Pittman, com uma hora de duração, e que buscava divulgar o jazz e o rhythm and blues no Brasil. Ela apresentava-se cantando e ele tocando. Booker Pittman faleceu vítima de um câncer na laringe, aos 60 anos de idade.

CLIQUE NA IMAGEM ABAIXO E CONFIRA + CLICKS DO FOTÓGRAFO SILVIO ALMEIDA EM NOSSA FAN PAGE DO FACEBOOK