Pesquisar

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Espetáculo luxuoso na Turma OK rende belo tributo a David Nasser

De Luiz Carlos Lourenço 

Com a presença do musicólogo, jornalista, diretor, apresentador e colunista RICARDO CRAVO ALBIN, a consagrada Turma OK, realizou, na noite de sábado, um belíssimo e variado espetáculo concebido por Silvinho Fernandes, homenageando o jornalista e compositor DAVID NASSER, nascido há 101 anos e que teve dezenas de sucessos gravados pelos maiores cantores e cantoras de nosso país.



David Nasser foi também um dos mais famosos repórteres de sua época (entre os anos 1940 e 1970), e ficou conhecido pela autoria e coautoria de muitas canções de sucesso,  entre elas, Nêga do Cabelo Duro (com Rubens Soares), Canta Brasil, Esmagando Rosas(ambas com Alcir Pires Vermelho), O Silêncio do Cantor (com Joubert de Carvalho), Confete (com Jota Júnior), Rancho do Lalá (com João Roberto Kelly), Serpentina (com Haroldo Lobo), Algodão, Mãe Maria(ambas com Custódio Mesquita), Carlos Gardel, O Maior Samba do Mundo e Atiraste uma Pedra (as três com Herivelto Martins) e Normalista (com Benedito Lacerda, grande sucesso na voz do amigo Nelson Gonçalves). Cantores como Nelson Gonçalves, Jorge Goulart, Linda Batista, Marlene, Silvio Caldas e Maria Bethânia interpretaram músicas do compositor no programa.



No espetáculo apresentado no sábado, destacaram-se consagrados artistas dubladores que homenagearam David Nasser, como Ilona di Martini, Babalu Vendramini, Jeycow Ferraz, Carlos Salazar Pereira,Carlos Fernando Sartori, Angel de Castro, Alekxander Belmont, Claudete Colbert e Paulo Silva.



Filho de Alexandre e Zakia Nasser, casal de imigrantes libaneses. Com alguns meses de idade, a família transferiu-se para o Mato Grosso, residindo até seus quatro anos em Campo Grande e Três Lagoas. Com uma passagem de dois anos pelo Rio de Janeiro, foram para Caxambu, onde residiram de 1925 a 1930. Fez o curso primário no Grupo Escolar Padre Correia de Almeida. Aos 13 anos, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde cursou o Instituto Superior de Preparatórios. Ainda estudante, ingressou no "O Jornal" pelas mãos de Vítor do Espírito Santo, onde teve como colegas de reportagem Vítor Nunes Leal, Arnon de Melo, Jaime de Barros, Caio de Freitas, entre outros. Em 1935, publicou como colaborador duas reportagens em "O Cruzeiro". Neste mesmo ano foi para "O Globo", onde permaneceu até 1943. Em 1944, casou-se com Isabel Audi e não tiveram filhos.



Filho de Alexandre e Zakia Nasser, casal de imigrantes libaneses. Com alguns meses de idade, a família transferiu-se para o Mato Grosso, residindo até seus quatro anos em Campo Grande e Três Lagoas. Com uma passagem de dois anos pelo Rio de Janeiro, foram para Caxambu, onde residiram de 1925 a 1930. Fez o curso primário no Grupo Escolar Padre Correia de Almeida. Aos 13 anos, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde cursou o Instituto Superior de Preparatórios. Ainda estudante, ingressou no "O Jornal" pelas mãos de Vítor do Espírito Santo, onde teve como colegas de reportagem Vítor Nunes Leal, Arnon de Melo, Jaime de Barros, Caio de Freitas, entre outros. Em 1935, publicou como colaborador duas reportagens em "O Cruzeiro". Neste mesmo ano foi para "O Globo", onde permaneceu até 1943. Em 1944, casou-se com Isabel Audi e não tiveram filhos.



Considerado um dos mais polêmicos jornalistas do país, DAVID NASSER, nunca, contudo, deixou de tomar partido a favor dos amigos. Desse modo, quando Francisco Alves foi vítima de processo de paternidade, ou quando Herivelto Martins separou-se litigiosamente de Dalva de Oliveira, escreveu crônicas, artigos e até livro, defendendo tanto o cantor quanto o compositor.