Pesquisar

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Rio Som Brazilian Jazz (Homenagens as Composições de Julinho do Trompete)

O trompetista, compositor e arranjador Julio Barbosa (Nova Friburgo, 1926) tem uma extensa trajetória na Música Popular Brasileira Instrumental. Músico atuante nos anos 1950, Desde 1975 reside na Alemanha, tendo formado seus grupos e gravado, em 1999 o CD Embalo, com músicos alemães e a participação especial dos brasileiros Hermeto Pascoal, Ivan Conti, Paulo Russo e Chacal. Em 2005, gravou o CD UFRJazz Ensemble interpreta Julio Barbosa, juntamente com a big band da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), dirigida pelo  Prof.  José Rua.

Marco Túlio, professor de saxofone da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), que integrava a orquestra na época, como aluno do curso de bacharelado em saxofone, mantém até hoje contato com Julio Barbosa, prestando assessoria em editoração musical e revisão do material, não só para a formação de big band, como para formações menores. Desta associação surgiu a proposta do presente projeto, a preparação e apresentação de uma parte significativa da produção autoral de Júlio Barbosa, em arranjos para a formação de octeto, formado por 2 trompetes, saxofone tenor (flauta), trombone, guitarra, piano, baixo elétrico e bateria. Para a o grupo foram convidados os também professores da UNIRIO Nailson Simões, João Luiz Areias, Cliff Korman e Thiago Trajano, além dos músicos Gessé Souza, Bruno Py, Wanderson Cunha e Fernando Pereira, todos com grande experiência e ligados à Universidade como alunos ou ex-­alunos de graduação ou pós-­graduação.

Julio Barbosa
Um dos mais destacados trompetistas brasileiros, natural de Nova Friburgo, cidade serrana nos arredores do Rio de Janeiro (RJ), começou a tocar trompete com 13 anos de idade. Inspirado instrumentista, estudou harmonia e contraponto, tornando­-se, além de exímio trompetista, compositor e arranjador.

Contratado pelas gravadoras Odeon e Phillips, gravou com Erlon Chaves, Moacir Santos, Gilberto Gil, Sérgio Mendes, Raul de Souza, Eumir  Deodato e tantos outros.

Trabalhou com as big bands dos maestros Cipó e Peruzzi e, também, na Orquestra Tabajara de
Severino Araújo. Fez arranjos especiais para os programas de televisão desta banda, além
de concertos e gravações para TV, da Orquestra Tabajara, na antiga TV Rio, tornando­se solista e ficando conhecido como "Julinho do Trompete".

Gravou seus primeiros discos­solo com a participação de Dom Salvador (piano), Robertinho Silva (bateria), Luiz Carlos (baixo), Neco (guitarra) e Oberdan Magalhães (sax), registrados  em  "O  Som  do  Julinho"   e  "100%   Bossa".

Seu conjunto de estrelas "7 de Ouros", integrado por Cipó, Edmundo Maciel, Lauro Miranda, Vidal e Paulinho, lançou Flora Purim e Wilson Simonal como cantores, sendo um enorme sucesso.

Ao ser convidado a participar na renomada companhía de show "A Brasiliana", aceitou, embarcando num tour que deu a volta ao mundo. Depois foi diretor musical da popular companhia de show "Brasil Tropical" e passou a compor e fazer os arranjos do programa.

Na Alemanha, o conhecido maestro Max Greger o convidou para integrar sua orquestra, considerada uma das melhores big bands da Europa. Com Greger, fez muitos concertos, apresentações para TV, participando da gravação de inúmeros discos. Depois, atuou com outras formações, integradas por músicos europeus, até decidir formar seu próprio grupo, com  o  qual  percorreu   toda  a  Europa,   onde  reside, há  muitos anos, em Munique, Alemanha.

Julio Barbosa representa hoje, na Europa, a nova música brasileira, com várias formações e seu repertório incorpora, além de inúmeras composições de sua autoria, variações jazzísticas de diversos gêneros, rítmos da música brasileira e releituras de standards,   em  arranjos  inovadores.

Em 1999, lançou o CD "Embalo – a new concept of Brazilian music", com seu conjunto, o sexteto Embalo, apresentando composições próprias. Participaram desse trabalho os renomados músicos brasileiros Ivan Conti (bateria), Hermeto Pascoal (teclados), Dom Chacal (percussão) e Paulo Russo  (baixo).

A convite do maestro José Rua, professor da Escola de Música da UFRJ, apresentou seu trabalho com a UFRJazz Ensemble, em vários concertos no Rio de Janeiro, em 2002, resultando na gravação  do CD "UFRJazz Ensemble interpreta Julio Barbosa".

Em 2005 e 2006, se apresentou com o Julio Barbosa Septeto, integrado por Fernando Merlino (teclados), Daniel Garcia (sax e flautas), Bruno Migliari (baixo eletrico), Pascoal Meireles (bateria), Altair Martins (trompete) e Jonson Nogueira (trombone), em vários concertos, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Sob regência do professor Jürgen Seefelder, as composições de Julio Barbosa também foram apresentadas e gravadas em CD pelo Ensemble Brasil da Escola Superior de Música de Mannheim.

Julio Barbosa quer trazer sua experiência para as novas gerações e diz: "A música conheceu transformações radicais em todo o mundo, moldada ao gosto dos jovens. É para eles que nós tocamos."

Marco Túlio 
Doutor em música (Teoria e prática da interpretação) e Mestre em música (Práticas interpretativas) pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Bacharel em música (saxofone) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor adjunto de saxofone na UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, atuando na graduação e pós-­graduação (mestrado acadêmico, mestrado profissional e doutorado). Integra ainda a Banda Filarmônica do Rio de Janeiro como  primeiro   saxofonista   e  chefe  de  naipe.

Na música popular já se apresentou com os mais diversos artistas: Flávio Venturini, Jorge Vercilo, Bob Mintzer, Altamiro Carrilho, Nivaldo Ornelas, Perinho Santana, Paulo Moura, Jane Duboc, Beth Carvalho, Idriss Boudrioua, Mauro Senise, Ivan Lins, Guilherme Arantes e Chico César. Integrou a Banda de Luiz Melodia em 2001 e 2002, tendo participado da gravação do CD/DVD Luiz Melodia Ao Vivo Convida. Integrou ainda a UFRJazz Ensemble, com a qual gravou os CD´s UFRJazz Ensemble interpreta Julinho Barbosa e Paisagens do Rio. Integra a banda Brass de Pina, do compositor,  pianista e arranjador  Gilson Peranzzetta.

É autor do livro Saxofone fácil: método prático para principiantes, lançado pela Editora Irmãos Vitale, com a coordenação do Prof. Celso Woltzenlogel.

Nailson Simões
Natural de Quipapá/PE, é Professor Titular na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), onde desenvolve intensa atividade acadêmica nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, principalmente da música brasileira, atuando nas mais diversas vertentes, da música folclórica à música contemporânea.

Após conclusão dos cursos de mestrado (1986, Boston/MA) e doutorado (1991, Washington/DC) nos
Estados Unidos, ambos sob orientação do professor Charles Schlueter (principal trompetista da Boston Symphony Orchestra, de 1981 a 2006, voltou para o Brasil, iniciando um trabalho pioneiro e inovador sobre interpretação   e  técnica   do  trompete.

Já gravou CDs com vários grupos e artistas: Grupo de Metais Brassil, Sinfônica da Paraíba, Duda e sua Orquestra. Foi membro das orquestras sinfônicas de Recife(PE), estadual de São Paulo (SP), Paraíba, Filarmônica do Norte­Nordeste e Municipal de Campinas. É fundador do UNIRIO METAIS e do Grupo de Trompetes da UNIRIO.

Paralelamente, desenvolve um trabalho solo, tendo lançado em 2001, pela Academia Brasileira de Música, o primeiro CD para trompete solo e piano no Brasil. Hoje é professor/pesquisador   da  EPM.

Professor de Trombone da Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO) abriu a cadeira de Trombone nesta Universidade, onde também criou o Coral de Trombones da UNIRIO (UNIBONES). Atuou como membro do Board of Advisers da International Trombone Association (2006/­2011), onde em 2006 foi convidado a participar do Cramer Trombone Choir no International Trombone Festival in Birminghan. Participou como presidente reeleito da Associação Brasileira de Trombonistas (2003/2005) e (2005/2007).

Foi 1º Trombonista da OSTMRJ de 1994 até julho de 2006 quando se tornou Professor da UNIRIO. Atua como camerista junto ao Quinteto Art Metal lançando este ano o CD “Henrique Alves de Mesquita – Músico do Império do Brasil”, Duo Areias­Vidal, Grupo Música Nova (grupo em que gravou o CD “Música Nova”), e Quarteto Brasileiro de Trombones, com o qual gravou o CD “Tributo a Gilberto Gagliardi”. Bacharel em Trombone pela Escola de Música da UFRJ e Mestre formado pela UNIRIO, foi vencedor do Concurso Jeunesses Musicales World Orchestra (1996/1997), com a qual excursionou pela Europa e em 1998 participou como 1º Trombone solista da Orquestra Jovem do Mercosul, excursionando pela América Latina em 2002. Em 2000 e 2006 participou do International Exchange Program da Georgia University tendo apresentado recitais no final do curso. Foi professor da Escola de Música da UFRJ por dois anos e ministrou vários cursos pelo país como por exemplo, Festival de Música de Santa Maria, Festival de Música de Curitiba, Festival de Música da Unisinos, Mostra Internacional de Música de Olinda (MIMO), Curso de Férias de Tatuí, Festival de Música de Domingos Martins, entre outros. Em 2011 estreiou a “Sonata para Trombone e orquestra” de Alexandre Schubert com a Orquestra Petrobras Sinfônica, obra dedicada no ano de 2010. Em 2013, participou como solista da primeira gravação do Requiem de W.A. Mozart com intrumentos originais realizada na América Latina junto a Orquestra Barroca do XXIV Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora, além de organizar e coordenar o I Festival Internacional de Trombone da UNIRIO. Em 2013 participou como professor convidado do Boston University Tanglewood Institute apresentando um recital junto aos professores do curso. Na Música popular se destaca pela participação em musicais, gravações e shows com grandes nomes da MPB, como exemplo, Chico Buarque, Edu Lobo, Emílio Santiago, Bibi  Ferreira,  Hebe  Camargo,  Fafá  de  Belém,   Zeca  Pagodinho   entre  outros.

Thiago Trajano
Bacharel em Música Popular Brasileira, Mestre em Musicologia e Professor Assistente na cadeira de Arranjo na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, UNIRIO. Começou seus estudos musicais com o piano, quando tinha apenas 10 anos, mas foi através das cordas   que  encontrou   sua  veia  musical.

Faz shows pelo Brasil desde os 17 anos, acompanhando diversos artistas entre Soraya Ravenle, Alma Thomas, Antônio   Adolfo   e  Dulce  Quental.

Como violonista/guitarrista participou de diversas peças de teatro como: Ópera do Malandro, A primeira noite de um homem, Império, Godspel, O Baile, Elis – Estrela do Brasil, A noviça Rebelde, Avenida Q, O Despertar da Primavera, Hair e O Violinista no Telhado. Compôs as trilhas dos espetáculos Teatro de Sombras de Ofélia, Cidade In/Visível e Catadores de Sonhos. Como arranjador, participou do espetáculo Herivelto Como Conheci, com Marília Pera e Todos Os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos de Charles Möeller e Claudio Botelho, para o qual recebeu indicação de Melhor Arranjo Original nos prêmios Reverência e Bibi Ferreira, sendo premiado no último.

Teve participações com a Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) sob a regência de Kurt Masur,  Roberto Minczuk e Jesus Figueiredo.

Como compositor e arranjador foi o segundo colocado no concurso de composição de temas de Jazz do Komeda Jazz Festival III Konkurs Kompozytorski, Slupsk, Polônia, com a peça Last Minute; e segundo colocado no 8o Concurso Nacional de Música IBEU – Big Band com a composição Samba Canino. Teve sua composição Maria`s Mood gravada no CD Paisagens   do  Rio  da  UFRJazz Ensemble.

Tem importantes participações em congressos, como no 3º Congresso de Música do Maranhão (2001) e na 33ª e 35a edição da conferência anual do IAJE – International Association   for  Jazz  Education,  em Nova Iorque (2006) e em Toronto, Canadá  (jan/2008).

Desde 2013 faz uma residência no Triboz, casa de shows especializada em jazz, em duo com a cantora norte americana Alma Thomas, apresentando repertório de clássico do jazz focados na dupla  Ella Fitzgerald e Joe Pass.

Se apresentou em duas edições da renomada festa Jazz Ahead. Uma ao lado de Alma Thomas e outra  integrando o Organ Trio da canadense Vanessa Rodrigues.

Em seu trabalho autoral, se apresentou com quinteto em importantes lugares da cena instrumental carioca como Vizta, Triboz, Santo Scenarium e Teatro Leblon (Festival de Jazz Beco das Garrafas).

Cliff Korman
Pianista, compositor, e pesquisador. Possui doutorado em Música­Jazz Arts Advancement (Manhattan School of Music, 2012; Tese: "Improviso na Jazz Sinfônica", acompanhada da composição própria "Interventions") e mestrado em Musica: Especialização na Jazz Performance (The City College of New York,1996). É Professor Adjunto na Universidade Federal de Estado de Rio de Janeiro (UNIRIO) e atua nas disciplinas Harmonia de Teclado, Harmonia em Música Popular, e Técnicas de Improvisacão, Coordenador do grupo de pesquisa Improvisa e do projeto para digitalizar o acervo do ícone da música brasileira Paulo Moura . Outros focos de pesquisa incluem o piano popular brasileiro: história e prática; pedagogia e estudos de música popular; e as circulações globais do jazz. Atua na Programa de Pós­ Graduação em Música do Centro de Letras e Artes da UNIRIO, e na PPGM da Escola de Música­UFMG como colaborador externo, onde orienta dissertações na linha de Performance. Artigos publicados incluem "Pushing at Boundaries: The Path of a Brazilian Instrumentalist" e "Paulo Moura’s Hepteto and Quarteto: `Sambajazz’ as `Brazilogical popular instrumental improvised music’". Estudou em Nova Iorque, sua cidade natal, com os mestres do jazz Roland Hanna, Barry Harris, Ron Carter, Kenny Barron e David Liebman. Na carreira constam apresentações com os artistas brasileiros Paulo Moura, Toninho Horta, Milton Nascimento, Leny Andrade, Astrud Gilberto, Nelson Faria, e Henrique Cazes, além de performances a quatro mãos com os pianistas Wagner Tiso, Gilson Peranzzetta, e Cristovão Bastos.

Dentre as gravações autorais constam Migrations (Planet Arts 2005); Mood Ingênuo: Pixinguinha
Meets Duke Ellington (Jazzheads, 1999) e Gafiera Dance Brasil (Almonds and Roses Music, 2000) com o parceiro Paulo Moura; e Trains of Thought (Almonds and Roses Music, 2014) uma  série  de  improvisações   para  piano  solo.

Bruno Py
Doutorando em música pela UniRio, onde se formou em Licenciatura e Bacharelado em MPB/Arranjo.

Contrabaixista, arranjador e pesquisador com mais de vinte e cinco anos de carreira profissional, premiado como instrumentista e arranjador (Prêmio TIM 2008, Rio Jovem Artista 2003, Rádio MEC e Nacional 2010) tem três cd's autorais gravados com os grupos instrumentais Trava-língua e Samambaia e discografia com cerca de 30 álbuns. Realiza pesquisa em filosofia e música com ênfase no repertório de música contemporânea e popular e é coordenador e regente da Orquestra Popular de  Macaé.

Fernando Pereira Baterista profissional desde os 16 anos. Nesta longa estrada destacou­-se por tocar em grandes orquestras e também em grupos de MPB. Foi aluno de Edgar Nunes Rocca (Bituca), Wilson das Neves e Bob Wyatt. Tocou durante onze anos na Orquestra da Rede Globo de Televisão, outros dez anos com o sanfoneiro, maestro, compositor e arranjador SIVUCA com quem exibiu-­se por  toda  a  Europa.

Participou de centenas de gravações dos maiores artistas do cenário brasileiro como Luíz Gonzaga (Gonzagão), Radamés Gnatalli, Chiquinho do Acordeom, Zé Menezes, Dominguinhos, Simone, Alcione, Fagner, Cauby Peixoto, Ângela Maria, Martinho da Vila, Nelson Sargento, João de Aquino e Leni Andrade, além  de  gravações  na  Suécia,   Dinamarca   e  EUA.

Fez shows com Sivuca, Martinho da Vila, Perí Ribeiro, Maria Creusa, Simone, Chriz Montez e Leni Andrade. Deu aulas de ritmos brasileiros na Escola de Improvisação Rítmica de Copenhague e em Berlim na Escola de Música Anita Asleim em 1999. Foi baterista da Estácio Rio Jazz Orchestra da Universidade Estácio de Sá, a única orquestra permanente de Jazz do Rio do Janeiro. (2001 – 2005)

Atualmente é músico autônomo e atua em diversos grupos de MPB e Jazz. Ministra aulas individuais de bateria e já encaminhou para o mercado diversos bateristas  que se tornaram bons profissionais.

Participa, atualmente, do elenco do musical “RÁDIO NACIONAL – “Uma onda que embalou o país”.  Dedica­-se,  nos dias de hoje, à música instrumental (jazz  e  bossa  nova).

Composições e arranjos de Julio Barbosa
Direção,   saxofone   tenor  e  flauta  –  Marco  Túlio
Trompetes   –  Nailson  Simões  e  Gessé  Souza
Trombone   –  João  Luiz  Areias
Guitarra   –  Thiago  Trajano
Piano  –  Cliff  Korman
Baixo  –  Bruno  Py
Bateria  –  Fernando   Pereira