Seja bem-vindo ao Blog do Lourenço! Obrigado por sua visita... Volte sempre!


quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ovacionada pelo público e aplaudida de pé, Gottsha superlotou o Theatro Net Rio, na noite de ontem

De Luiz Carlos Lourenço
Fotos de Vitoria Virtus

“Maravilhosa”, “Absoluta”, “Canta Muito” e “Poderosa” foram as expressões de maior destaque ouvidas na noite de ontem, no show “Discotheque”, no Theatro Net Rio, onde a atriz e cantora GOTTSHA interpreta clássicos da discoteca  dos anos 70, como “Dancin’queen”, “I love the night life" e “I will survive". Com o teatro completamente lotado e reunindo jovens e idosos de todas as gerações, Gottsha, ainda apresentou como destaque a cantora e atriz Marya Bravo, que também empolgou o público com voz poderosa.


Sandra Maria Braga Gottlieb, uma libriana de 4 de outubro (como Adriana Calcanhotto...), está cantando cada vez mais segura e com total domínio de palco, se destacando principalmente por sua versatilidade. Ela queria ser jornalista, mas sua vocação era ser notícia como artista. Gottsha chegou mesmo a receber o honroso título no universo gay abafando como “Musa”, anos atrás, como “Rainha Gay”. E há cerca de 20 anos, ela faz manchetes como Gottsha. Atriz e cantora de múltiplas habilidades, já foi destaque de espetáculos infantis, fez novelas e acabou se firmando como uma cintilante estrela de musicais made in Brazil, com dezenas de espetáculos no currículo (como “Beatles num céu de diamantes”, “7, o musical”, “Xanadu” e “Como vencer na vida sem fazer força”).

Empolgação
Entre as dezenas de fãs e admiradores de Gottsha, na plateia da noite passada, destacavam-se Isabelita dos Patins, os empresários Marcos Montenegro e Raman, Bete Suzano, Teresinha Sodré, Jarbas Fontinelli, as divas gays Suzy Parker e Yeda Brown, a cantora Vitoria Virtus, Marcelo Souza, Mammy Gottlieb, o cantor Márcio Gomes, Dougie Face, Luiz Villarino, José Antonio de Souza e muitos outros artistas e jornalistas que são fãs da artista.

Em tempos bicudos, GOTTSHA consegue voltar ao passado com alegria e esperança. Com ela, é impossível não guardar com certa nostalgia a febre das discotecas em fins dos anos 70 e início da década de 80. Uma época em que o estilo hippie é deixado para trás, surgindo toda um novo comportamento e estética com cores vibrantes, excesso de brilho, botas prateadas com salto plataforma, meiões listrados, saia evasê e cabelo Black Power. Tudo isso imortalizado nas telas de cinema com John Travolta em “Os Embalos de Sábado à Noite” e Donna Summer soltando o vozeirão em “Até que Enfim é Sexta-Feira”. Enquanto aqui no Brasil “Dancin’Days” tomava conta dos lares brasileiros e as noites de Ipanema ferviam ao som de Bee Gees, Gloria Gaynor e Abba.
Gottsha recorda com sua voz maravilhosa todos estes inesquecíveis momentos de uma geração que fazia naquela época a transição da infância para a adolescência.

Ano passado Gottsha já havia levado aos palcos o excelente “Movie Stars”, aonde juntamente com Alessandra Verney apresentaram as mais belas canções do cinema. Agora Gottsha mergulhou nesse universo das discotecas para levar ao Teatro Net Rio e no próximo mês, no Teatro Cesgranrio, um contagiante espetáculo.

Com uma maravilhosa banda de quatro músicos e um repertório irrepreensível, GOTTSHA conseguiu, mais uma vez, com sua indiscutível potência vocal indiscutível, a medida certa para enlouquecer o público com clássicos como “Dancing Queen”, “Last Dancing”, “I Will Survive”, “More Than a Woman”, “My Cherie Amour”, “Zodiacs”, “Love’s Theme”(em versão instrumental pela banda, durante a troca de roupas),“Ben”, “Goodbye Yellow Brick Road”, “Could it be Magic”, “Don’t Leave me This Way”, entre outros grandes sucessos.

Esse repertório combinado com a presença de palco e carisma ímpar de Gottsha acabam por fazer de “Discotheque” um espetáculo encantador, sem truques, aonde podemos matar saudades de uma época inesquecível de nossas vidas. — Se tivesse acúmulo de milhagens para palco, acho que eu já teria dado uma volta ao mundo — brinca ela. — O palco foi o lugar onde eu mais estive nessas duas décadas de carreira, e é natural que seja nele que eu queira celebrar estes 20 anos com um público tão maravilhoso.