Seja bem-vindo ao Blog do Lourenço! Obrigado por sua visita... Volte sempre!


quarta-feira, 5 de abril de 2017

"Memórias de um Pequeno Grande Príncipe" no Laura Alvim



O espetáculo "Memórias de um Pequeno Grande Príncipe", com livre adaptação, texto e direção de Rachel Palmeirim, passou por rígidos critérios de seleção e foi contemplado com o agendamento, de todos os sábados e domingos de abril, no horário das 17h, na Teatro da Casa de Cultura Laura Alvim. Será a primeira vez que o grupo niteroiense "Artecorpo Teatro e Cia, já bastante conhecido na município vizinho, irá apresentar-se na cidade do Rio de Janeiro. Outra boa novidade é o protagonismo do espetáculo que foi  entregue a um boneco especialmente criado por Márcio Newlands, um craque na arte.

Nesta releitura do livro de Antoine Exupèry, com direção de manipulação de bonecos de Marcio Nascimento, os atores pesquisaram  técnicas do teatro de animação para dar  vida ao protagonista, um boneco articulado com 75 cm de altura. Ele surge a partir do instante em que um avião cai no deserto. O aviador  é um homem sisudo, estressado, e era preciso um choque para organizar seus pensamentos. Com isso, sua memória traz à tona os personagens simbólicos de sua vida: a Rosa, a Serpente, a Raposa, o Guarda-Chaves e o próprio Pequeno Príncipe.

Toda a história é permeada com músicas e sonoplastia ao vivo. No elenco: Rachel Palmeirim, Alexandre Vollú, Eliana Lugatti, Cida Palmeirim, Renato Badeco e Rafael Tereso. A iluminação é de Ricardo Lyra Jr., figurinos de Leonam Thurler e cenário de Gabriel Naegele. Preparação corporal Fernando Azevedo.


 "O Pequeno Príncipe" na versão do grupo niteroiense


Possuindo em mãos uma história com inúmeras metáforas, percebemos que havia muito a ser explorado. Decidimos materializar em cena, primeiramente, o caos que se torna a mente de um aviador incompreendido que, após uma pane, cai num deserto, lugar onde está sozinho, com seus pensamentos e reflexões. Com isso, o cenário retrata o interior de um avião destroçado, que acabou de cair.

         

O fato inexplicável de um menino (criança) surgir sozinho no deserto, nos fez optar pelo uso de um boneco de manipulação direta que surge a partir da confusão mental da cabeça do aviador. Através do diálogo acreditamos colocar em jogo a ideia de que Pequeno Príncipe é o alter ego do piloto, que, com a batida, trouxe à tona o menino que havia dentro dele e que estava adormecido. Essa proposta torna a história uma análise psicológica da vida do aviador, passando por momentos amorosos, divinos, de compreensão de quem ele é, e para onde vai. A cena final do espetáculo esclarecerá para o público essa dualidade.

Os personagens simbólicos, materializados no livro como Rosa, Serpente, Raposa e Guarda Chaves, surgirão como em um sonho, sem a necessidade de compreensão de como apareceram e para onde vão. Cada qual trará consigo instantes importantes da vida do aviador. A Rosa, simbolizando o amor e suas dificuldades de compreensão, a Serpente, a superioridade de um ser divino, capaz de retirar uma vida; a Raposa, a amizade, o cuidado, o carinho, que surge através de gestos, e não de palavras (uso de máscara inteira); e o Guarda Chaves, o caos da população.

Além destes personagens o Pequeno Príncipe viaja “pelo universo” na intenção de encontrar seu lugar. Esbarra no caminho com diversas criaturas que não lhe agradam. Estes personagens serão retratados através de três técnicas teatrais que se unificam para provocar surpresa, estranhamento e reflexão: a animação das malas, a sombra e as máscaras.



Motivações do  grupo para a montagem de “Memórias de um Pequeno Grande Príncipe”

O tempo acelerado em que estamos vivendo não nos permite uma reflexão a respeito de nossas vidas, nossos atos e atitudes. Muitas vezes estrangulamos nossas personalidades, nossos anseios, em troca de algo que a sociedade nos exige. Para isso, muitas vezes é preciso um baque, uma “queda de avião” para estacionar o tempo e nos fazer pensar.

 Esse “baque” por vezes retira as “armaduras” criadas ano após ano, e, no caso do espetáculo, ocorre num deserto, local de plena solidão, mas poderíamos transpor esse fato para cada indivíduo refletir de que forma se livrar dessa “casca” a que somos impostos.

O príncipe surge nessa história não como referência à realeza, mas como simbolismo daquilo que temos de mais bonito (dentro e fora).  E, no caso do espetáculo, isso vem da criança, do pequeno príncipe. A peça deixará um rastro para pensarmos onde e como encontramos esse ser dentro de nós, como trazê-lo à tona, percebendo que muitas vezes o que temos de mais singelo e puro está obscuro e trancado em nosso interior.

A literatura repleta de metáforas desse autor francês ilustra essas reflexões e traz junto valores e filosofias sobre a amizade, o amor e as percepções de mundo.

S  E  R  V  I  Ç  O


"Memórias de um Pequeno Grande Príncipe" com o grupo ARTECORPO TEATRO E CIA.
Local: Teatro Laura Alvim – Av. Vieira Souto, 176 – Ipanema – RJ
Casa de Cultura Laura Alvim
Dias:  08 a 30 abril (sábados e domingos)
Horário: 17h
Texto e adaptação - Rachel Palmeirim
Direção de manipulação de bonecos - Márcio Nascimento
Criação do boneco (protagonista) - Marcio Newlands
Ingressos: R$30,00 (inteira) R$15,00 (meia)
A venda na bilheteria do teatro ou www.ingressorápido.com.br
Teatro: 2332 2016 - Artecorpo Teatro e Cia: 98680-7880    2722-5091      98875-9899
Whatsapp:   97216-3330


Eulália Figueiredo
Assessoria de Imprensa
21 - 9 8606 3076 / 2636 3017

    
Cida Palmeirim
Produtora/Atriz  DRT: 3255/RJ e 41499/RJ
Rachel Palmeirim 
Produtora/Atriz  DRT: 38504/RJ
(21)2722-5091   (21)98680-7880   (21)98875-9899
(21)97216-3330 (WhatsApp)
www.artecorpoteatro.com.br