Seja bem-vindo ao Blog do Lourenço! Obrigado por sua visita... Volte sempre!


sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Rogéria lota livraria no Leblon na sua segunda noite de autógrafos




Por Luiz Carlos Lourenço
Fotos:Daniel Marques


De Berta Loran a Simon Khouri, de Eliana Pittman a Rodrigo Faour e de Jane di Castro a Sylvia Bandeira e de Leiloca a Isabelita dos Patins. Difícil dizer quem não estava lá, engrossando as longas filas que se formaram na Livraria da Travessa, no Leblon, para a segunda noite de autógrafos do livro que conta a carreira artística e alguns momentos do mais famoso travesti brasileiro, Rogéria.

O livro, "Rogéria- Uma mulher e mais um pouco", de Márcio Paschoal, teve seu lançamento nacional na última terça-feira, em São Paulo e já está sendo vendido nas principais livrarias e aeroportos do pais, com quase 300 páginas e enriquecido com dezenas de fotos da carreira da artista. Ainda no Rio de Janeiro, novas sessões de autógrafos serão realizadas nas próximas semanas em festa no Teatro Rival e no Norte Shopping, na Zona Norte da cidade. 





Entre os destaques da noite de ontem podiam ser visto os cantores Eliana Pittman, Karina Duque Estrada, Beth Guiler, Luciene Franco, Vitória Virtus, Jane Di Castro e Francis Hime, o escritor e jornalista Simon Khoury, as atrizes Berta Loran, Sylvia Bandeira e Suzana Faini, o ator, diretor e produtor musical Haroldo Costa, com a mulher Mary Marinho, o escritor, jornalista e produtor musical Rodrigo Faour, o pesquisador e produtor musical, membro da Associação Marlenista, Cézar Sepulveda, os fotógrafos Marcos Rodrigues e Thereza Eugenio, a jornalista e radialista  Alicinha Silveira, o promoter e relações públicas Vinicius Belo,o escritor, colunista e produtor musical João Luiz Azevedo, diretor geral do Teatro Oi Casagrande, o ator e diretor Marco Miranda Castro Araujo, o pesquisador e produtor musical Alvaro Carrilho, a jornalista, produtora e diretora de eventos Ana Maria Tornaghi, a jornalista e apresentadora de TV Lucia Leme, a cantora e astróloga Leiloca Neves, das Frenéticas,os jornalistas Marcello Castello Branco e Beto Feitosa, o diretor Márcio Trigo, o escritor, jornalista e pesquisador Fábio Fabretti,a jornalista, atriz e produtora Maria Fernanda Gurgel, o produtor de TV Liminha,Silvinho Fernandes, e as conhecidas transformistas Dolores Del Rio, Camille K, Brigitte de Buzios, Isabelita dos Patins,Yeda Brown, Claudia Celeste, Leslie, Suzie Parker e o diretor e produtor Maurício Almeida.



O livro de Rogéria tem recebido muitos elogios do público e dos críticos, nas últimas semanas.Nascida Astolfo Barroso Pinto, teve de enfrentar grandes desafios para se afirmar como homossexual, ícone do transformismo e, acima de tudo, artista. Movida por uma enorme paixão pela arte e pela vida, conquistou, ao longo de mais de 50 anos de carreira, seu espaço no teatro, no cinema e na televisão, consagrando-se como uma personagem irresistível, quase mítica: Rogéria, o travesti da família brasileira. 




Neste livro, Marcio Paschoal reconstrói a intensa trajetória de Astolfo-Rogéria desde seus primeiros passos como maquiador das cantoras da era do rádio e das estrelas da TV Rio, passando por sua estreia nos palcos em plena época da ditadura, o sucesso internacional e o reconhecimento artístico em seu retorno ao Brasil. 

Para traçar um retrato fiel de Rogéria, o autor fez uma grande pesquisa iconográfica, reunindo fotos lindíssimas. Também optou por dar voz à biografada, que conta, com toda a sua irreverência, deliciosas histórias do showbiz. 



Sem citar nomes, mas dando pistas suficientes para instigar os leitores, Rogéria revela detalhes picantes ...
Rogéria disse que não se importa com as críticas do movimento LGBT. Para ela, o fato de se autodefinir como “o travesti da família brasileira” já diz tudo.

“Nasci homossexual, nunca fiquei em armário, não acredito em opção sexual e sempre me posicionei contra qualquer tipo de hipocrisia. Tem gente de movimento gay que não gosta de algumas coisas que digo, mas para esses eu falo que, antes deles chegarem, já existia Rogéria, meu amor”, provoca.