Seja bem-vindo ao Blog do Lourenço! Obrigado por sua visita... Volte sempre!


sábado, 29 de outubro de 2016

PARABÉNS, GRANDE NELSINHO


Hoje aniversaria meu amigo NELSON MOTTA, o Nelsinho, o querido filho do advogado Nelson Cândido Motta e da dona de casa Maria Cecília Brito Motta.

Nelson Motta iniciou sua carreira no jornalismo em 1964, como estagiário na reportagem geral do Jornal do Brasil e nos conhecemos em 1968,quando comecei a trabalhar ao seu lado na TV GLOBO, onde eu também dava meus primeiros passos no jornalismo profissional. Nessa época, ficamos amigos de vários artistas que se tornariam figuras importantes no cenário musical brasileiro em movimentos como a Bossa Nova e o Tropicalismo. 

Tive também a honra e a felicidade de ser seu colunista interino, no jornal Ultima Hora, de Samuel Wainer, substituindo-o em suas férias na coluna "Roda Viva", que falava sobre o cinema novo, o Teatro Oficina, a MPB, toda a área cultural, e até política, mas sob o ponto de vista da juventude. Samuel queria que a coluna fosse escrita por jovens, com uma linguagem jovem, para um público jovem. Foi a primeira do gênero no Rio de Janeiro”.





Trabalhamos também lado a lado em outras épocas na gravadora Phonogram(Phillips) e no jornal O Globo. Nelson Motta ganhou a fase nacional do I Festival Internacional da Canção com a música Saveiro, que compôs em parceria com Dorival Caymmi. "Eu participei do festival com uma das primeiras músicas com Caymmi. Fomos classificados e ganhamos. O tempo mostrou que a nossa música era boa." 

Nos mesmos anos que antecederam a ditadura, Nelsinho fez suas primeiras participações na televisão, como crítico musical dos programas A Grande Chance e Um Instante, Maestro.
Nelson Motta começou a trabalhar na Globo em 1968. Suas primeiras funções na emissora foram as de comentarista do Jornal de Verdade e repórter especial em eventos musicais, como os Festivais Internacionais da Canção. Em 1969, passou a apresentar Papo Firme, um programa musical de cinco minutos, exibido antes da novela das 19h. Também naquele ano, foi responsável pela seleção das músicas que integrariam a trilha sonora da novela Véu de Noiva, escrita por Janete Clair.



“Foi a primeira trilha sonora feita especialmente para novela. Tinha Elis Regina, Caetano Veloso, Chico Buarque – os dois já estavam exilados, mas Nelson conseguiu músicas inéditas deles”. O disco, lançado em parceria com a gravadora Philips, da qual Nelson Motta era produtor, foi um sucesso. “Um dos maiores hits do ano foi Teletema, de Antonio Adolfo, que também fazia parte da trilha de Véu de Noiva”.

Que Deus nosso pai dê alegrias, paz e saúde para este maravilhoso amigo, jornalista, escritor, compositor, crítico musical, produtor e dono de casas de shows. Asseguro que o nome de Nelson Motta está diretamente associado à música brasileira, seja por parcerias com Edu Lobo, Dori Caymmi, Lulu Santos, seja pela produção de discos de Elis Regina e Marisa Monte, sobretudo pelas críticas musicais que escreveu para grandes jornais, como a Última Hora e O Globo. Além de ter sido casado com outra especial amiga, Marília Pêra, com quem teve duas filhas lindas, Esperança e Nina Morena.


Sua parceria com a Globo também foi frutífera. Nelson Motta foi um dos idealizadores e roteiristas de programas como o musical Chico & Caetano e o seriado Armação Ilimitada. E, com os irmãos Paulo Sérgio e Marcos Valle, em 1971, compôs a música cantada até hoje pelo coral da Globo nas vinhetas de final de ano da emissora: “Hoje a festa é sua/ Hoje a festa é nossa/ É de quem quiser/ De quem vier!”.

Fotos de divulgação