Pesquisar

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Última Semana Comédia “Um dia a casa cai” no Sesc Tijuca

FotoTrívia Produções – Em cena,  Juliana Martins e Igor Cotrim

Texto da americana Mary Agnes Donoghue propõe reflexão bem humorada sobre temas tão recorrentes como amor, casamento, carreira, traição, homossexualidade e morte.



O Teatro I do Sesc Tijuca encerra no próximo domingo a temporada da  comédia “Um dia a casa cai” da americana Mary Donoghue. Nessa montagem dirigida por Rose Abdallah, traduzida e adaptada por Paulo Reis, o público constatará que ainda vivemos, apesar de toda a liberação e de todo o crescimento feminista, amarrados a regras ancestrais impostas que se mostram difíceis de romper.

Com diálogos rápidos bem humorados, e literalmente demolindo o cenário, a peça retrata a vida de uma típica família de classe média à beira das falências financeira e emocional. Expondo desejos, escolhas e conflitos diários.






Na trama, Luiza (Juliana Martins) é casada com Zé (Igor Cotrim), um arquiteto desempregado que, por não conseguir construir coisa alguma, vem destruindo paulatinamente a casa dos dois por dentro, e a cada parede derrubada vai demolindo também a falsa aparência da família feliz. Agarrada ao bordão “por fora bela viola, por dentro pão bolorento”, ela ainda sonha com Thomaz (Renato Calvet), um namorado imaginário que poderia ter lhe dado um presente bem melhor do que atual, caso ela não tivesse dado o mau passo de rejeitá-lo tantos anos antes. A visita de Bibi (Babi Xavier), sua melhor amiga, faz com que as duas revisem o plano, ou seja, as fantasias que ambas nutrem para escapar dos escombros de suas vidas.



Por vezes lembrando “Como se livrar da coisa”, de Eugene Lonesco, mas também sempre com um pé em “Dona Flor e seus dois maridos”, de Jorge Amado, a peça vai questionando as opções na vida da mulher contemporânea dividida entre o amor e a carreira, bem como os critérios de avaliação para essas opções.

Paulo Reis manteve com muita fluência o absurdo do texto, trazendo os conflitos dessa família americana de  classe média para a nossa atmosfera. “Estão totalmente inseridos nos nossos costumes tanto as preferências de indumentária da dona da casa, o projeto das malocas desenvolvido pelo marido arquiteto, os dotes culinários da amiga aspirante a atriz, e as canções do ex-namorado imaginário.”



SINOPSE SUGERIDA – Comédia retrata a vida de uma típica família de classe média à beira das falências financeira e emocional. Expondo desejos, escolhas e conflitos diários.

FICHA TÉCNICA
Texto - Mary Agnes Donoghue
Tradução e adaptação - Paulo Reis
Direção - Rose Abdallah
Elenco:
BABI XAVIER - Bibi, mestre-cuca, aspirante a atriz
IGOR COTRIM - Zé, arquiteto genial desempregado
JULIANA MARTINS - Luiza, dona de casa, estilista amadora
RENATO CALVET - Thomaz, ex-namorado imaginário
Direção de produção - Ronaldo Tasso
Cenografia - José Dias
Figurinos - Suely Gerdhardt
Iluminação - Daniela Sanchez
Trilha sonora – Fernando Moura
Preparação corporal: Silvia Matos
Design e fotos: Trívia Produções
Assessoria de imprensa – Minas de Ideias
Produção executiva - Thais Faro
Assistência de direção: Eduarda Senise
Assistência de  Figurino: Preta Marques
Assistência de produção: Viviane Rocha
Realização - r/tasso Ideias e Realizações

SERVIÇO
Temporada: Até 25 de setembro
Horários: Sextas, sábados e domingos, às 20h
Classificação: 14 anos
Local: Sesc Tijuca - Teatro I
Capacidade: 228 Lugares
Endereço: Rua Barão de Mesquita, 539 - Tel: (21) 3238-2164
Preço: R$ 5,00 ( associados) R$ 10,00 (meia entrada) R$ 20,00 
Duração: 70 minutos

Assessoria de Imprensa    
Minas de Ideias Comunicação Integrada
Carlos Gilberto e Fábio Amaral