Pesquisar

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Curta brasileiro com Othon Bastos e Suzana Faini participa da mostra paralela do Festival de Cannes “Bodas” é uma parceria da diretora Alexia Maltner e da roteirista Renata Mizrahi


Curta-metragem “Bodas”, estrelado por Othon Bastos e Suzana Faini, será exibido no Festival de Cannes, que, entre os dias 11 e 22 de maio, atrairá os olhos de milhares de cinéfilos para a cidade do sul da França. O curta, fruto da parceria entre a diretora Alexia Maltner e a roteirista Renata Mizrahi, será apresentado na mostra paralela “Short Film Corner” do maior festival de cinema do mundo.

O projeto, idealizado pela dupla e produzido com recursos próprios, traz, no elenco, dois grandes nomes do cinema e do teatro: Othon Bastos – único astro ainda vivo do filme “Deus e o Diabo na terra do sol”, de Glauber Rocha – e Suzana Faini, atriz duplamente indicada ao Shell e premiada em 2015 por sua atuação em “Silêncio!”. Othon e Suzana, ambos de 83 anos, não trabalhavam juntos havia mais de duas décadas.

Eles vivem Dora e Caio, casados há 50 anos. Dora não está feliz e se sente presa a um casamento sem perspectiva de mudança. No dia da comemoração das bodas de ouro, eles resolvem discutir os rumos da relação.



Fotos: João Pedro Gasparian

Currículos

Othon Bastos

Ator recordista em participações na TV, já tendo participado de mais de 80 produções entre novelas, séries, minisséries e casos especiais nas diversas emissoras pela qual já passou.
Iniciou sua carreira no cinema em 1962, quando atou no filme “Sol sobre a lama”. Ao longo de sua trajetória, atuou em filmes como “O pagador de promessas” (1962), “Deus e o Diabo na terra do sol” (1964), “São Bernardo” (1972). No cinema, Othon Bastos acumula cerca de 40 filmes. O ator foi premiado duas vezes no Festival de Gramado, recebendo o Kikito de Ouro na categoria de melhor ator por “São Bernardo” (1971) e o Kikito de Cristal, uma homenagem pela carreira, o primeiro da história da mostra.

Nos anos 1990, dois filmes nacionais dos quais participou concorreram ao Oscar de melhor filme estrangeiro: “O que é isso, companheiro?”, de Bruno Barreto, e “Central do Brasil”, de Walter Salles.

Suzana Faini

Atriz iniciou a carreira como bailarina e estreou no Teatro Sesc Ginástico com a peça “Oh, que delícia de guerra”, substituindo Eva Wilma, em 1966. Estreou na televisão em 1969, na novela “Rosa Rebelde”, da Globo. Tem, em seu currículo, mais de 40 produções televisivas, mais de 10 filmes e dezenas de montagens teatrais. Em 2014, recebeu o Prêmio Cesgranrio e o Prêmio FITA de melhor atriz por ‘Silêncio!”, de Renata Mizrahi. Por essa peça, também foi indicada ao Prêmio Shell. Em 2015, recebeu indicações ao Prêmio Cesgranrio, ao Prêmio Shell e ao Prêmio APTR por melhor atriz com o espetáculo “Família Lyons”, de Nick Silver.  Este ano, Suzana comemora 50 anos de carreira.

Alexia Maltner

Iniciou sua carreira como diretora de teatro em 1999, dirigindo a peça “O monta-cargas”, de Harold Pinter. Em 2002, dirigiu “O amante”, também do autor inglês.  Em 2003, começou a trabalhar na TV, participando de mais vários projetos, entre eles as minisséries “Casa das sete mulheres” (2003) e “Um só coração” (2004); novelas como “Senhora do destino” (2004) e seriados como “A grande família” (2005), “Os caras de pau” (2011) e “Chapa quente” (2015). No cinema, foi assistente de direção do diretor Maurício Farias no longa “A grande família, o filme” (2007), e, com João Daniel Thikomiroff, fez o telefilme “Didi e o segredo dos anjos” (2014). Dirigiu o curta-metragem “Até que a morte os reúna” (2010). Também foi criadora e diretora da websérie “Atormentados”, que estreou em 2014 no portal GSHOW.

Renata Mizrahi

Vencedora do Prêmio Shell 2014 por “Galápagos”. A peça foi lida em novembro de 2015, no evento “Contemporary  Theatre from Brazil at the Martin E. Segal Center” na Cuny University de Nova York. Ganhou os prêmios Zilka Salaberry de Melhor Texto em 2010 e 2012, pelas peças “Coisas que a gente não vê” e “Joaquim e as estrelas”. Foi indicada ao Prêmio Cesgranrio (2014) por “Galápagos” e “Silêncio!”.

Por “Galápagos”, também foi indicada ao Prêmio APTR de Melhor Texto (2014). Por “Silêncio!”, também foi indicada a melhor texto FITA 2014. Trabalhou como roteirista da Conspiração Filmes em 2011. Trabalhou como roteirista da Rede Globo em 2013/2014. Atualmente, escreve o programa inédito para o GNT da atriz Fernanda Torres “Minha estupidez” (Conspiração Filmes/direção de Mini Kerti). Escreve o programa “Tem criança na cozinha” do canal Gloob desde de sua primeira temporada (Samba Filmes/direção de Luiz Igreja). Escreveu a segunda temporada da série “Homens são de Marte, é pra lá que eu vou” do canal GNT (Zola/ direção de Susana Garcia). No cinema, idealizou e escreveu “Os sapos”, baseado em sua peça de mesmo nome, com direção de Clara Linhart (Gamarosa Produções). O curta participou de vários festivais, entre eles o Curta Cinema (RJ) e Janelas (PE).

Escreveu com Tuca Siqueira o roteiro do longa-metragem “Amores de Chumbo”, orientado por Miguel Machalski, que estreia em 2016/2017, protagonizado pelos atores Aderbal Freire Filho e Juliana Carneiro da Cunha (produtora Plano 9). Renata é também professora do curso livre de roteiro da AIC (Academia Internacional de Cinema) RJ.

Sheila Gomes - 9.8479-7111 (WhatsApp)
 Assistente: Rital Leal – ritaleal2007@gmail.com