Pesquisar

quarta-feira, 2 de março de 2016

Leny Andrade se apresenta no projeto " Tardes musicais" em show inesquecível




De Luiz Carlos Lourenço
Fotos de Daniel Marques

As tardes de Copacabana ganharam um presente desde o início do ano na Sala Municipal Baden Powell, quando naquele equipamento cultural da Secretaria Municipal de Cultura, geralmente às quartas feiras, são realizados shows com artistas de renome que apresentam sucessos de carreira ou homenageiam artistas já falecidos, no horário da tarde. Ontem foi a vez da cantora LENY ANDRADE, que a exemplo de Jerry Adriani e Soraya Ravenle, que se apresentaram nas duas primeiras sessões musicais, conseguiu lotar inteiramente a casa. O projeto, que faz lembrar as lendárias sessões do "Seis e Meia" do Teatro João Caetano, recebeu  o nome de “Tardes Musicais".





A nova serie de espetáculos será apresentada no horário de 16h30m, uma a duas vezes por mês nas quartas-feiras. A próxima artista escalada para o "Tardes Musicais" será a cantora e atriz TANIA ALVES, que apresentará um show com um repertório de boleros famosos.O projeto começou com o cantor Jerry Adriani, no feriado de 20 de janeiro. Em fevereiro, a cantora Soraya Ravenle e o pianista e acordeonista Marcelo Caldi apresentam canções de Dolores Duran, Lupicínio Rodrigues, entre outras. Os shows tem o formato quase acústico, para que a plateia e artistas fiquem mais próximos, como se estivessem em casa.


Bastante abalada com o falecimento no dia anterior do amigo Severino Filho, criador do grupo Os Cariocas, a cantora LENY ANDRADE iniciou o espetáculo desta quarta-feira visivelmente entristecida e antes de cantar, lembrou algumas passagens de sua carreira ao lado do músico falecido, dizendo que era quase impossível ela estar cantando naquele momento doloroso:
"Eu hoje só tinha duas opções, vir aqui cantar para vocês com o coração transbordando, mas sendo fiel ao meu público que é a minha razão de viver, ou optar pela despedida do meu amigo, na sua cremação. Estes últimos  tempos tem sido muito duros para minha alma, porque em pouco tempo perdi três queridos do peito, Emílio Santiago, Luiz Carlos Miele e agora o meu amado Severino Filho.


Durante o belo show de ontem, Leny lembrou algumas momentos de sua carreira. como os cinco anos em que morou no México e outros oito nos quais morou nos Estados Unidos.


Nascida no Rio há 73 anos, Leny recordou que começou a cantar aos 17 anos, iniciando a sua carreira cantando em boates do eixo Rio e São Paulo. A cantora participou de programas de calouros em rádios e ganhou uma bolsa de estudos para o Conservatório Brasileiro de Música, estreando  profissionalmente como crooner da orquestra de Permínio Gonçalves passando mais tarde a cantar nas boates Bacará (com o trio de Sérgio Mendes) e Bottle's Bar, no Beco das garrafas, reduto de boêmios e músicos do movimento musical urbano carioca surgido em 1957, a bossa nova.


No espetáculo de ontem a artista contou como o compositor  Cartola se inspirou para compor uma de suas obras primas, o" Mundo é um Moinho", canção que interpretou magistralmente ao lado do pianista João Carlos Coutinho. Entremeando com pérolas da Bossa Nova, Leny Andrade também divertiu o público contando passagens de sua carreira ao lado de Fátima Guedes, de quem interpretou "Madame", Nana Caymmi e Alcione. A canção"Madame" tem uma curiosa letra de  verdadeira história passional:

Madame

E então, tá aí uma canção
na qual você se reconhece
e eu quero ver ciúme
nessa tal que te merece
Não seja uma canção de amor
mas trai a mágoa.

Madame, o seu marido fez
essa mulher chorar amargo
pensar em suicídio
quando ia em dezessete
e ainda o cheiro dele
no meu ódio se intromete

Eu sei que ele me lembra à revelia
mas não lhe contaria
o que não lhe interessa
E tudo aquilo que ele me ensinou
e eu aprendi depressa, tudo por amor,
foi junto com o vexame,
fascinação do exame
de um primeiro professor

Madame, jamais me arrependi
de ter amado o seu marido
de um tempo em que ele era
ainda galante e já bandido
Ciúme vem de mim que fui
romance de segunda"

Considerada por muitos críticos musicais como a maior cantora brasileira de jazz, Leny Andrade mostrou ontem também muito carinho com o público e ao final do espetáculo, reuniu-se com dezenas de fãs no foyer do teatro, conversando informalmente, autografando CDS e fotografias e posando para inúmeras fotos ao lado dos presentes.



SUCESSO VESPERTINO

Os produtores Fernanda Santos e Flávio Loureiro, levam para a Zona Sul esta ideia, baseada na experiência bem-sucedida na casa de espetáculos Imperator – Centro cultural João Nogueira, na Zona Norte, com o projeto Quartas Brasileiras.


 – Optamos por este horário, pois a cidade ainda tem Sol, é mais seguro para o público e ainda dá tempo de chegarem em casa e não perderem as novelas e jornais locais ou também passearem pela orla da praia do bairro. Durante o ano de 2015 o projeto no Imperator teve sessões esgotadas e até mesmo uma segunda sessão com lotação também esgotada, no mesmo dia, comentou a produtora Fernanda.


Uma curiosidade com os shows neste horário é que alguns artistas, ao entrarem no palco e saudarem a plateia com um “Boa Noite”, como é costumeiro, a mesma retribuí sempre com “Boa Tarde”.
Serviço:

TARDES MUSICAIS:

PRÓXIMA ATRAÇÃO
TANIA ALVES

Sala Municipal Baden Powell
Avenida Nossa Senhora de Copacabana 360 – Copacabana     Telefone: (21) 2225-1067
Dia 5 de abril, quarta-feira
Horário: 16h30
Classificação Etária: Livre
Ingressos (somente dinheiro): R$60,00 (inteira) e R$30,00 (meia-entrada conforme Lei)
Horário de Bilheteria : Quarta a Domingo – 14h às 18h
Capacidade da Sala: 500 lugares