Pesquisar

domingo, 13 de dezembro de 2015



ESCRITOR RODRIGO FAOUR DIZ SIM À CAMPANHA DO NATAL PERMANENTE

            Rodrigo Faour fotografado com a camisa da campanha, em seu apartamento no Leblon

LUIZ CARLOS LOURENÇO
Fotos de Daniel Marques


Sempre solícito e esbanjando simpatia, o musicólogo, pesquisador, produtor e escritor RODRIGO FAOUR disse sim à Campanha Natal Permanente da LBV — Jesus, o Pão Nosso de cada dia!.  Na última quinta-feira, dia 11, ele recebeu a equipe da Legião da Boa Vontade em sua residência no Leblon, na zona sul do Rio de Janeiro  para uma sessão de fotos com Daniel Marques da tradicional ação socio assistencial da Instituição, que tem o objetivo de oferecer um Natal sem fome e mais feliz a milhares de famílias em situação de vulnerabilidade.

A iniciativa conta com o apoio de muitas outras personalidades, que formam o time dos Amigos de Boa Vontade. “Quando os artistas se unem para ajudar, o povo acredita no artista e isso se transforma num fator multiplicador! Quanto mais o artista se dedicar a ajudar a LBV, mais o povo vai se conscientizar de que a LBV trabalha em prol daqueles que necessitam”, disse Rodrigo.

Demonstrando muita alegria, em sua mensagem, convida a população e toda a classe artística a se unir à causa solidária.Para Rodrigo, biógrafo de artistas famosos como Cauby Peixoto, Claudette Soares, Angela Maria e Dolores Duran, o espírito natalino significa união, celebração com a família. “As pessoas pensam que o Natal é para beber, fazer farra, soltar rojões. Não é nada disso. O Natal é para você agradecer a Deus, e não ficar só pedindo, pedindo. Ajudando, somos sempre ajudados. E se você tiver coisa boa no coração, pode estar certo de que não só o Natal, mas o ano inteiro, a vida inteira de muitos brasileiros será muito mais feliz, porque a LBV trabalha sempre, a cada dia do ano, fazendo com que o Natal seja todo dia, como apregoa o fundador da Legião, Alziro Zarur.

Rodrigo Faour, em noite de lançamento, com Angela Maria e Ricardo Cravo Albin 

Neste ano, a campanha de Natal visa arrecadar milhares mais de  quilos de alimentos não perecíveis, a serem entregues, em cestas, a famílias atendidas pelos programas socio educacionais da LBV ao longo do ano e àquelas amparadas por organizações parceiras. Cada cesta é composta de arroz, feijão, óleo, açúcar, leite em pó, macarrão, farinha de mandioca e de trigo, fubá, goiabada, gelatina, massa para bolo, extrato de tomate e sal.As doações podem ser feitas pelo site www.lbv.org ou pessoalmente em uma das unidades da LBV. Informações: (83) 3198-1500.

Rodrigo Faour é jornalista, produtor e historiador de música brasileira. É um entusiasta cultural e apoiador de artistas que fizeram e fazem parte da cena cultural nacional. Também é autor das biografias de Dolores Duran, Cauby Peixoto, Claudette Soares e Ângela Maria, esta última lançada este mês em eventos no Rio e em São Paulo. E, como ele mesmo se classifica, tem de ser “um maluco como eu para colocar essa gente na roda de novo”.

Rodrigo acrescenta uma observação sobre o tempo de contribuição musical de Angela Maria e Cauby Peixoto e analisa a importância de suas parcerias. “Esse encontro não é uma novidade. É um selo desta amizade real e artística que já vem de muitos e muitos anos. Na verdade, são 130 anos, pois cada um vai fazer 65 anos de carreira na virada de 2015 para 2016. Os dois começaram a gravar em 1951. Então é um recorde brasileiro. Nenhum outro artista de nenhum tempo teve uma carreira tão atuante quanto Ângela e Cauby. Ninguém gravando com tanta constância e fazendo shows com tantas temporadas. É muita história”, analisa Faour. Sua biografia de Cauby foi lançada com o título “Bastidores: Cauby Peixoto – 50 anos da voz e do mito”.

Com 840 páginas de texto e 48 de fotos, a biografia “Ângela Maria – A eterna cantora do Brasil” chega às lojas em um trabalho de pesquisa e divulgação que contribui para o resgate da importância de cantores e cantoras como ela no Brasil, que, segundo Rodrigo, é um país de memória curta e não dá valor a “este tipo de coisa”, referindo-se aos trabalhos e histórias dos artistas.

            Rodrigo Faour com o jornalista e radialista Hilton Abi Rian, do programa "Samba e História", da LBV


Além do livro de Ângela, Rodrigo também lançou no último mês de setembro “Duas noites para Dolores Duran – Ao vivo”, projeto que reúne cantores de diversas épocas, como João Donato, Leny Andrade, Elba Ramalho, Lana Bittencourt, Márcia Castro, Simone Mazzer e, claro, Cauby e Ângela, entre outros.

O pesquisador e jornalista carioca resume em poucas palavras por qual motivo faz tantos trabalhos voltados a estrelas que não têm mais tanta visibilidade atualmente. “Eu preciso resgatar esses grandes artistas. No nosso país, com tantos artistas espetaculares que já foram reis em outras épocas, há alguns que se a gente não resgatar é como se não existissem”, justifica.

“Essas pessoas são símbolos da nossa cultura. Ângela é uma figura que vai fazer 65 anos de carreira sem parar, nunca parou de gravar, fazer show ou se apresentar e é uma mulher que passou pela história do rádio, da TV, do cinema e da nossa indústria cultural. Ângela Maria é um símbolo brasileiro”, comenta Faour, dizendo que a cantora é uma das protagonistas deste contexto nacional.