Pesquisar

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

RODRIGO FAOUR AUTOGRAFA NA LIVRARIA DA
TRAVESSA E ÂNGELA MARIA BEIJA SEUS LIVROS


De Luiz Carlos Lourenço
Fotos de Daniel Marques

A cantora ÂNGELA MARIA construiu uma carreira grandiosa de sucessos e venda de discos, que ultrapassa 60 anos de existência, e ao longo da sua trajetória, a artista passou por vários momentos de muito sucesso, alegrias, tristezas e superação. Todos estas passagens estão reunidas na biografia “Ângela Maria – a eterna cantora do Brasil”, escrita por Rodrigo Faour. Ontem, no lançamento da sua biografia na Livraria da Travessa, no Leblon,acompanhada do marido Daniel, Ângela Maria estava radiante, esbanjando simpatia e presenteando o público cantando alguns de seus sucessos, entre uma pergunta e outra no talk show, acompanhada pelo músico Ronaldo Rayol.


E as centenas de pessoas que durante horas aguardaram pacientemente pelo autógrafo de Faour, receberam um presente extra: Ângela Maria, renovando periodicamente a pintura nos lábios com o batom vermelho, sua marca registrada, autografou a bela publicação de uma forma original, beijando cada livro adquirido pelos fãs, jornalistas, produtores e artistas que compareceram ao lançamento.


 No livro, o jornalista, produtor, apresentador e pesquisador musical Rodrigo Faour conta detalhes em 839 páginas, narrando a sua vida pessoal, desde a infância pobre, o esforço para seguir a carreira musical em uma família religiosa, os romances, e também o notável lado profissional, com os concursos de calouros, o reinado na Era do Rádio, os recordes de vendas, a multidão de fãs devotos, os shows e o vigor com que mantém a carreira em plena atividade até hoje. Ele já é consagrado como autor de vários livros, entre eles as biografias de Cauby Peixoto, Dolores Duran e Claudette Soares e escreveu ainda a História Sexual da MPB e outra obras literária sobre a Revista do Rádio.


 Depois de cantar algumas músicas, aplaudida em delírio, ÂNGELA MARIA também fez um desabafo, falando da relação com o marido, seu grande suporte, segundo ela:
" Na vida pessoal, só encontrei gente para me explorar e mais nada. Passei muito mal na mão desses caras e isso interferiu na minha profissão, porque fui até zero nas finanças. Quem me ajudou a levantar foi o Daniel porque ele tem uma cabeça de 60 anos e eu de 15. Estava disposta a largar tudo. Quase tentei o suicídio. Também sofri muito preconceito por ser 33 anos mais velha que ele. Como se no amor existisse isso, mas o contrário pode", contou.


Desta primeira citação ao nome da cantora na Revista do Rádio, em julho de 1951, até os dias atuais, ou seja, 64 anos depois, a trajetória da Sapoti está bem distribuída nas 840 páginas de Ângela Maria – A Eterna Cantora do Brasil, em publicação da Editora Record. O livro é assinado pelo escritor e produtor carioca Rodrigo Faour, autor de biografias de Cauby Peixoto, Dolores Duran e Claudette Soares, entre outros livros.


A cantora, hoje, com 86 anos foi um fenômeno pop no Brasil dos anos 50. Estourou no disco de estreia, em apenas dois anos disputou com a já veterana Emilinha Borba o título de Rainha do Rádio. Ficou em segundo lugar, mas perdeu por pouco. Na disputa seguinte iria à forra. Foi eleita com mais do dobro dos votos de Emilinha dois anos antes: 1.464.996, números que não foram superados até o final do concurso.


No livro, Faour não se limita a mencionar os melhores momentos da cantora, incursionando . pelos seus altos e baixos, do relacionamento conturbado com seis maridos, a detalhes como as medidas da estrela (1, 50m de altura, 46 kg, 81 cm de busto, 57 cm de cintura, e 90 cm de quadris), sem deixar de tocar em assuntos delicados como as idéias de suicídio e seus contatos com artistas internacionais que vieram ao Brasil e queriam conhecê-la. Naturalmente Rodrigo cita no livro  a quilométrica e eclética discografia de Ângela Maria, senhora de todos os ritmos.


 Faour lembra que  levou um ano escrevendo A Eterna Cantora do Brasil, entrevistou dezenas de pessoas, e conferiu cinco mil matérias em jornais e revistas. Biografia mais rigorosa tem pouca no Brasil. Como comparação, a elogiada e minuciosa biografia Noel Rosa – Uma Biografia, de João Máximo e Carlos Didier, de 1990, não chega a 600 páginas. Mas o que importa, obviamente, não é o peso da obra, mas das informações. contidas nela. No livro de Rodrigo Farou chegam a ser excessivas. Mas os fãs da eterna rainha do rádio não vão reclamar.


PRESENÇAS

 No lançamento de ontem, personalidades de todas as áreas compareceram à livraria, como o musicólogo, escritor, jornalista, diretor e apresentador Ricardo Cravo Albin, as cantoras Eliana Pittman, Leny Andrade, Ellen de Lima, Hanna, Tetê Cavalcanti,  Simone Mazzer, Tânia Malheiros, Fátima Guedes e Aurea Martins. Também lá estavam vários representantes do mundo gay, como o produtor paulista Darby Daniel, Yeda Brown, Suzy Parker, Fujika de Holiday, o casal de atores Mauro Mendonça e Rosamaria Murtinho, o cantor Nei Matogrosso, a diretora do Museu da Imagem e do Som, Rosa Maria Araujo, o jornalista, radialista e apresentador Hilton Abi-Rihan. que apresenta o programa "Samba e História" na BOA VONTADETV(programa da LBV na Sky), a jornalista e apresentadora Eloah Dias, Beto Caratori, o ator, diretor, produtor e apresentador Fernando Resky, o compositor João Roberto Kelly, o desembargador Benedicto Abicair, acompanhado da filha, a cantora Júlia Abicair, o ator Luis Lobianco, a cantora Rosária Meirelles, das Irmãs Meirelles, o arquiteto, decorador e cantor Edgard Mandarino, o ator Carlos Vonpinaz Barreto, o publicitário Vinicius Bello, a socialite e empresária Irce Britto, Carlos Sampaio, Sônia Ferreira, a querida viúva do compositor Xangô da Mangueira, o produtor musical Thiago Marques Luiz, o pesquisador Ricardo Souza, e uma das irmãs do cantor Cauby Peixoto, Andiara.



 Durante o lançamento, a cantora Eliana Pittman aproveitou para divulgar seu mais recente espetáculo musical, Bossa and Soul, que ela fará em quatro noites(12 a 15 de novembro), no Vinicius Bar, em Ipanema, onde canta alguns clássicos da Bossa Nova e sucessos internacionais de sua carreira.


 Vindo especialmente de Saquarema para conhecer Ângela Maria, levado pelo amigo Rafael Barcelos, também desfilava entre os convidados o roqueiro SERGUEI, lenda do rock, ex-namorado de Janis Joplin e que acabou de completar 80 anos .


Mais do que um cantor, Serguei é um personagem folclórico que habita a pequena Saquarema, na região dos Lagos, no Rio de Janeiro. Lá, ele cuida e mora no Templo do Rock. Financiado pela prefeitura da cidade, a casa cenográfica reúne quinquilharias de todos os tipos: discos, livros, cartazes, filmes e objetos de decoração que repassam a história do rock desde os anos 60 e reconta sua trajetória pessoal. Estima-se que já tenham passado mais de 20 mil visitantes por lá.


Com o cabelo volumoso, os lábios protuberantes a lá Mick Jagger e as vestimentas que personificam o melhor estilo roqueiro, Serguei é uma daquelas figuras míticas que causam risadas involuntárias,mas que se derrama em elogios quando fala de Ângela Maria."  É a maior artista deste país. Queria muito conhecê-la. Dar um abraço apertado e um beijo. E hoje eu consegui tudo isso", exclamou, eufórico.