Pesquisar

sábado, 11 de outubro de 2014

ADRIANA CALCANHOTTO SUPERLOTA O
RIVAL E CANTA QUATRO MÚSICAS NO BIS



De Luiz Carlos Lourenço
Fotos de Daniel Marques

A cantora ADRIANA CALCANHOTTO se apresentou ontem à noite no Teatro Rival, em sua programação especial ligada aos 80 anos da casa de espetáculos,  com mais um bela apresentação da turnê "Olhos de onda", show que já passou por Angola e Portugal e vai percorrer outros países europeus  nos próximos meses. Adriana volta ao palco daquele teatro nna noite deste sábado,a partir das 19h30m, restando poucos ingressos para esta apresentação. 
 No repertório, a artista apresentou vários vai os sucessos da carreira, como "Devolva-me", "Esquadros", "Mais feliz", "Maresia", "Vambora" e "Fico assim sem você". No show intimista, ela canta acompanhada apenas de um violão, mas, na maioria das músicas, foi sempre  acompanhada por um animado coro da platéia, debaixo de muitos aplausos .
Novas canções também foram mostradas ao público, como "Para lá", parceria feita com o músico Arnaldo Antunes em um camarim em Lisboa. Calcanhotto ainda contou uma história curiosa e fez uma significativa  homenagem ao compositor  Wally Salomão, com a música "Motivos reais banais" e a Cid Campos, cantando o poema dele "Sem saída".


Numa plateia em que podiam se ver muitas senhoras de cabeça branca cantando os seus sucessos, a atriz foi homenageada, ao final, no seu camarim, pelo artista plástico ANDREA BRANDANI, que está concluindo uma grande mostra "Notáveis da MPB", onde está grafitando em antigos discos de final os rostos de mais de 600 personalidades do mundo musical brasileiro. A mostra, ainda sem data para inauguração terá, como curador, o musicólogo, jornalista, apresentador e produtor musical Ricardo Cravo Albin. 
ANDREA levou um vinil extra com a imagem da cantora e entregou uma segunda peça para que ela fizesse a entrega à diretora do Teatro Rival, Angela Leal, pelo muito que tem feito pela música popular brasileira. O grafite com o rosto das duas já faz parte da pintura das paredes da Galeria Jean Boghicci, em Ipanema, onde lá foram imortalizados nomes domo Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi, Antonio Carlos Jobim, Nara Leão, Maria Bethânia, Chico Buarque de Holanda e muitos outros destaques da MPB.


Num dos pontos altos do show de ontem à noite, Adriana cantou "Maldito rádio "(Adriana Calcanhotto, 2012) - música de refrão forte com a qual  a cantora trava diálogo inteligente com o universo da canção popular brasileira de tom sentimental . O número sofre propositais interferências de emissora de rádio sintonizada por um ator que entra no palco. É o único jogo de cena de show que transcorre sedutoramente linear, sem a inventividade cênica de espetáculos anteriores da artista.  Ela também interpretou magistralmente a canção Back to black (Amy Winehouse e Mark Robnson, 2006), a música mais conhecida do repertório da cantora inglesa Amy Winehouse (1983 - 2011). 


Ao final do espetáculo, mesmo se refazendo de um forte resfriado, Adriana não decepcionou a platéia e cantou quatro canções extras, encerrando o espetáculo com o público de pé cantando com ela o hit de Tim Maia " Me dê motivo", de Michael Sullivan e Paulo Massadas, composto há 31 anos, em 1983.
Nas próximas semanas, além do show desta noite, Adriana vai se apresentar em Madureira, São Gonçalo, Barra Mansa e Tijuca, antes de viajar para a Europa com "Olhos de Onda". 

Andrea Brandani e Adriana

Luiz Carlos Lourenço e Antonio Cicero