Pesquisar

terça-feira, 30 de setembro de 2014

JAJÁ OLIVEIRA ENTREVISTA O ATOR BLOTA FILHO



Fotos de arquivo pessoal



A Vitrine- Antes de tudo fale quem é Blota Filho?

BF: Blota é um homem de 54 anos, que decidiu um dia jogar tudo pro alto e viver a inconstância da profissão de ator. Porque não me via em outra função que me desse tanto prazer na vida.

A Vitrine- Porque decidiu ser ator?

BF: Não houve uma decisão. Sempre fui ator desde a infancia. As brincadeiras eram sempre do famoso "faz de conta". O que houve foi a decusão de ESTAR ator.Brincava na freste do espelho que eu era quem eu quisesse. E ai a coisa, bem mais tarde, ficou seria. E sou/estou ator ha 24 anos.


A Vitrine- Quais são as suas expectativas para o futuro nessa profissão?

BF: Sempre estou otimista. Está dificil pois é uma profissão que, de uns tempos pra ca, sofreu uma invasão de pessoas que não sabem o que ela é. Mas procuram o glamour que acham que está junto no pacote. Existe a seleção natural pra tudo na vida e com a minha profissão não seria diferente. Fica nela quem aprende a sobreviver sem ela.


A Vitrine- Se não fosse ator, que profissão seria?

BF: Se não fosse ator? seria a pessoa mais frustrada da face da terra.

A Vitrine- Você já sofreu preconceitos… No começo da sua carreira?

BF: Venho de uma família de artistas da época que ser artista era sinônimo de desvio de caráter. Sofri o preconceito por ser filho e sobrinho de quem sou, o Radialista Geraldo Blota, meu pai e os apresentadores Blota Junior e Sonia Ribeiro. Por um tempo minha casa, na infancia, era lugar de gente que não presta, na visão de algumas mães do bairro que cresci.Já falaram muita coisa na época de teatro amador, coisas feias e coisas lindas. Preferi ouvir as coisas lindas e seguir em frente.


A Vitrine- Algumas pessoas sempre vão criticar, outras sempre elogiar, como você lida com isso?

BF: Normal. Não se agrada todo mundo e tambem não se é bom pra todo mundo. Mas como disse ouço, assimilo se servir pro meu crescimento tanto o elogio ou as críticas tudo bem. Se não servir deleto.



A Vitrine- O fato de a sua mãe ser rádio-atriz e seu pai radialista foi que motivou você a seguir a carreira artística?

BF: Costumo dizer que não se pode fugir da genética. Minha mãe me ensinou muita coisa falando da época que era radioatriz. Como falar, como representar, tratar com respeito a personagem, inflexições, vozes e tudo mais. Meu pai me mostrou como se comportar nessa profissão, respeitá-la, amá-la e me cuidar DENTRO dela, dentro da empresa que me contrata, caráter acima de tudo, não ser orgulhoso e achar que sou o melhor que qualquer um.O comportamento de meus pais na vida foi o que me motivou a ser e seguir no que sou hoje.


A Vitrine- É verdade que antes de você estrear como ator, fez várias figurações nas novelas da Band? Como era a figuração naquela época?

BF: Era bem dificil não pelo trabalho, pra mim sempre foi um trabalho,mas pela maneira que eramos tratados por algumas pessoas. Existia uma pressão interna muito grande em todos e a valvula de escape eram os figurantes. Mal tratados? sim. Ignorados? sim. Eramos os primeiros a chegar, às 5:30 da manhã e ficavamos na rua esperando a equipe chegar para nós autorizar entrar até umas 7 ou 8. Mas foi bom. Ninguém morreu por isso.Aprendi e segui. E hoje sei que uma cena de festa sem a figuração não é nada. Uma cena de praia sem a figuração não é nada. Figurante é igual a um molho suculento de qualquer prato é o COMPLEMENTO. Mas hoje em dia as coisas mudaram muito ainda bem.


A Vitrine- Sua estréia em novelas ocorreu na novela “Pérola Negra” (SBT/1998). Como foi essa primeira experiência na TV?

BF: Deliciosa. Era tudo o que eu queria uma personagem e ai ganhei um vilão numa obra deliciosa que me rende lembranças otimas até hoje.Foi por isso que esperei tantos anos para entrar e estar lá. sabe o nascimento do primogênito? Então é só alegria.

A Vitrine- Em sua opinião, qual é a importância da telenovela na cultura do país?

BF: A novela é algo serio. Ela fala de assuntos, expõem idéias e ideais. Costumes, fatos ( as vezes lúdicos ), situações, modismos, histórias, contos de fadas. Ela pode te mostrar que o que você acha que não é possivel, é possivel sim. Ela também educa, influencia, constroe as pessoas.

A Vitrine- Qual espetáculo teatral foi mais marcante em sua carreira?

BF: Nossa! São mais ou menos 30 espetáculos e cada um teve um importancia, seja pela montagem, pelos profissionais com que se trabalhou, pelo texto, pela direção, pela experiência de ter feito, pela época que foi montado, pelo que estava vivendo particularmente na época. Mas tem um que gosto muito: DE CORPO PRESENTE de Mara Carvallio. Montagem simples, texto primoroso, personagem gostoso de se fazer, colegas especiais.

A Vitrine- Certa vez eu vi uma entrevista sua onde você dizia que a novela “A Viagem” (TV Tupi/1975) foi especial pra você devido ao espiritismo e a sua mãe. Se você pudesse interpretar um personagem dessa inesquecível novela qual escolheria?

BF: Ah o vilão e espirito obsessor ALEXANDRE. Instigante, denso, forte. Vilão é sempre bom pro ator.

A Vitrine- Você é a prova viva que a carreira de ator é muito árdua. Que dica você deixa pra quem almeja seguir a carreira artística? O ator que deseja ingressar na TV deve mesmo residir no eixo Rio-São Paulo?

BF: Olha ator que queira ingressar na carreira esteja onde estiver deve sempre não desistir. Se aquilo for te deixar amargo, chato, se aquilo for mortal pra vc entãoo siga. Mas se você conseguir VIVER sem aquilo então não seja. Existem tantos outros caminhos profissionais a seguir. tantas profissões deliciosas. Veja sempre o que te faz feliz e te completa.Seja o que for ator ou não.


A Vitrine- Qual seu estilo preferido de personagem: vilão, mocinho ou cômico?

BF: Tenho uma veia cômica que adoro lidar. Mas tem o instigante caminho de um vilão. E o exemplar da vida de um mocinho. Pra mim seja o que for vai receber dedicação, respeito e satisfação.


A Vitrine- Como você concilia sua vida com as gravações da novela?

BF: Vivendo! É arduo? É. É exigente? É. É enlouquecedor? É. Mas ser médico tb é. Ser professor também é. Ser lixeiro também é. É emprego é trabalho tem prós e contras mas tem a satisfação de estar lá.


A Vitrine- Pra você, os fãs são uma peça importante na vida de um ator?

BF: Mostre um ser humano que não gosta de carinho, reconhecimento, amor, respeito. Sem isso também junto não sei o que é da vida desse ser humano.


A Vitrine- Nosso publico quer saber quais são seus projetos futuros?

BF: Bom atualmente estou em cartaz aqui em São Paulo com a peça CHÁ DAS 5, De Regeana Antonini. São 9 homens fazendo 9 mulheres. Faço a vilã que expõe os podres de toda familia. E aceitei o convide de Miguel Falabella para fazer parte de 4 capítulos de SEXO E AS NEGA. Já gravei dois que devem entrar no ar na segunda quinzena de outubro. tem outros projetos mas nada certo ainda, aguardemos então.

A Vitrine- O que você acha da Vitrine e do apresentador Jajá Oliveira, das informações e notícias passadas aos fãs?

BF: Se a imprensa não fala do nosso trabalho, dos nossos projetos, da nossa vida profissional não saberiam de nada. Imprensa é muito importante dependemos dela pra nos divulgar e divulgar nossos trabalhos. Então é bom sempre é.


Ping Pong


Nasceu? Dia 7 de setembro de 1960. Deus disse vai e arrasa, eu vim. kkkkkk

Signo? Virginiano, com Peixes e Lua em Aries. E não faço a menor idéia do isso significa. kkkkk

Relacionamento? Solteiro sempre e para sempre.

Um filme:  Central do Brasil

Uma novela: Caminho das Indias.

Uma peça de teatro: De Copro Presente

Um Livro? Dibs em Busca de Si Mesmo e Gemeas Silenciosas

Um ator Nacional? Tony Ramos SEMPRE

Uma atriz nacional? Susy Rêgo

Uma serie? Perdidos no Espaço, da decada de 60.

Uma música que você colocaria como trilha sonora da sua vida:

Emoções. Se chorei ou se sorri o importante é que emoções eu vivi. E Sorri( Smile).

Uma inspiração: O onibus, as ruas, metrô, mercados. Tem uma gama de presonagens otimos.

Um prato predileto: Pudim de leite. Pudim de Clara e Saladas cheias de coisinhas.

Um país? O meu sempre.

Uma Alegria? Hoje, agora, já!

Uma Tristeza? Morte de meu pai e minha mãe

Um sentimento? De estar sempre tentando fazer a coisa certa em tudo

Cor preferida? Não sendo marrom qualquer uma.

Saudade? Da minha mãe.

Uma frase? O senhor é o meu pastor e NUNCA, nada me faltará.

Pra você o que é viver a vida intensamente? Acordar e se jogar na vida. Receber o que ela me dá de bom e de não tão bom.

Um recado para os fãs e leitores? Gente obrigado por tudo sempre e para sempre.


Agradecimentos da Vitrine.

Querido, quero agradecê-lo por conceder essa entrevista. Foi uma honra ter você aqui “NA VITRINE”. Muito mais sucesso, e que sua vida e carreira seja repleta de alegrias e realizações em sua vida. Um grande abraço!