Pesquisar

terça-feira, 3 de junho de 2014

DA ZERO HORA, DE PORTO ALEGRE...

Coluna Almanaque Gaúcho, do Ricardo Chaves


DIANTE DA JANELA, AS MUDANÇAS NOS MOINHOS DE VENTO


Visão da janela de Cláudio na década de 1960. Foto: Ricardo Chaves
Visão da janela de Cláudio na década de 1960. Foto: Cláudio Ferrari, Arquivo Pessoal
         
Durante muitos anos, Cláudio morou numa grande casa na Rua Quintino Bocaiúva, 1.023. A residência foi construída pelo pai dele, o imigrante Antonio Ferrari, que era comerciante e tinha uma loja na Galeria Chaves, chamada A Fidalga. Antonio casou na Itália com Helena Elvira e, quando desembarcou pela segunda vez em Porto Alegre, o italiano trouxe com ele a mulher e três filhos: Natale, Arnaldo e Marieta.



Visão da janela de Cláudio na década de 1970. Foto: Ricardo Chaves
Visão da janela de Cláudio na década de 1970. Foto: Cláudio Ferrari, Arquivo Pessoal
     

Aqui nasceu o quarto filho, Cláudio Ferrari, que hoje, aos 70 anos, pilotando sua possante moto de 1.300 cc, evidencia jovialidade e sintonia com o que acontece a sua volta. Aposentado, depois de trabalhar mais de vinte anos como cirurgião-dentista, ele atualmente administra uma lavoura de arroz. Até os seus 15 anos, assistia de casa à movimentação dos cavalos no Hipódromo do Moinhos de Vento. A largada dos 1.500 metros ocorria diante da janela dos fundos do sobrado.

Visão da janela de Cláudio na década de 1980. Foto: Ricardo Chaves
Visão da janela de Cláudio na década de 1980. Foto: Cláudio Ferrari, Arquivo Pessoal
 

Quando, na primavera de 1959, houve ali o último páreo, e o Jockey Club se transferiu para o bairro Cristal, Cláudio já tinha acionado a sua câmera Agfa Solinette para registrar a paisagem. Voltou a fazer isso na década de 1970, quando o Parcão, com as árvores ainda pequenas, já estava ali instalado. Na década de 1980, ele também fotografou a vista com as árvores já maiores.


Visão atual da janela de Cláudio. Foto: Ricardo Chaves
Visão atual da janela de Cláudio. Foto: Ricardo Chaves
 

Cláudio perdeu o pai em 1963, e sua mãe morou naquela casa até morrer, em 1992. Em 1982, casou com Maria Leonor e mudou-se. Eles têm duas filhas: Fernanda e Luiza. O imóvel esta parcialmente alugado para fins comerciais. Da janela, agora, só se pode ver a grande área verde do Parcão.

Seta vermelha mostra onde ficava o sobrado em que a família de Cláudio morava. Foto: Última Hora, Banco de Dados
Seta vermelha mostra onde ficava o sobrado em que a família de Cláudio morava. Foto: Última Hora, Banco de Dados